Entrevistas

“Vejo o perigo de João Lourenço encontrar-se isolado na vontade de reformar o País e tornar-se num Presidente autoritário”

A jornalista Estelle Maussion, actualmente, ao serviço da “Jeune Afrique”, concedeu recentemente uma entrevista ao Jornal de Negócios, de Portugal. Estelle Mausson fala do livro da sua autoria, lançado há dias na capital portuguesa, que tem como personagens principais o antigo presidente angolano José Eduardo dos Santos, a sua família e colaboradores. A jornalista diz …

“Vejo o perigo de João Lourenço encontrar-se isolado na vontade de reformar o País e tornar-se num Presidente autoritário” Leia mais »

“Não gosto da alcunha de ‘Exterminador’ e Manuel Vicente não é meu conselheiro ”

O Presidente da República concedeu recentemente, no Palácio da Cidade Alta, em Luanda, uma entrevista à emissora pública alemã DW. João Lourenço disse, no decurso da referida entrevista, que o ex-vice-presidente Manuel Vicente não é seu conselheiro e desmentiu informações segundo as quais Isabel dos santos estaria a negociar com a Justiça para devolver o dinheiro de que se acaparou da petrolífera angolana.

“O que está a acontecer entre EUA e Irão é uma óptima notícia para Angola”

Presidente da Câmara de Comércio Portugal-Angola diz que caso Isabel dos Santos tem de resolver-se rápido. Defende que privatizações trazem boas oportunidades e garante que o governo português está empenhado em criar soluções para apoiar investimento.  O arresto a Isabel dos Santos em Angola foi uma surpresa. Acredita que este caso é exemplo de nova …

“O que está a acontecer entre EUA e Irão é uma óptima notícia para Angola” Leia mais »

“Acredito num amanhã bastante positivo para nossa Guiné-Bissau”

Domingos Simões Pereira, que representa o PAIGC, acredita ter as condições criadas para uma vitória na segunda volta das eleições na Guiné-Bissau, nas quais tem como concorrente Umaro Sissoco Embaló, candidato do MADEM-G15. A votação decorre no dia 29. Até lá, Domingos Pereira vai procurar manter a interacção com o povo, reafirmando-lhe o “projecto viável, capaz de voltar a reunir a Nação guineense”

Chimamanda Ngozi Adichie

“Ele achava que a menstruação era como fazer xixi”

Ela é sempre parada nos aeroportos, e não é por ser famosa. Chimamanda Ngozi Adichie (Enugu, Nigéria, 1977) mantém o seu passaporte nigeriano para ser fiel às suas raízes, mas isso começa a pesar. Mudou-se para os Estados Unidos há mais de uma década. Vive em Maryland com o seu marido e a sua filha de quatro anos, a quem ensina a usar uma linguagem que lhe foi vetada quando criança.

“Feminicidio em Angola é assustador”

Três mil e 307 casos de violência doméstica foram registados pela Direcção Nacional dos Direitos da Mulher, Igualdade e Equidade no Género, de Janeiro a Setembro deste ano, número que as autoridades nacionais consideram preocupante. Para falar sobre o tratamento dado a esses casos, a directora nacional dos Direitos da Mulher, Igualdade e Equidade no Género, Júlia Quitocua, concedeu entrevista e nesse diálogo, a responsável fala das políticas em curso para travar a onda de violência doméstica e revela que, em Angola, o femicídio está a atingir níveis assustadores.

“Não temos de representar que somos escritores e nos levamos muito a sério”

Há entrevistas tiradas a ferros, e depois há entrevistas destas: é só atar e pôr ao fumeiro, que é como quem diz, ligar o gravador, dar uma deixa inicial e deixar a conversa rolar. Mia Couto e José Eduardo Agualusa são amigos há três décadas, conhecem-se como poucos, completam as frases um do outro, e até escrevem textos a quatro mãos – um exercício raro em literatura. O livro O Terrorista Elegante e Outras Histórias, um conjunto de três novelas assinadas por ambos, que chegou no mês passado às bancas, nasceu assim, a dois. Foi apenas um pretexto para um despique de ideias sobre a amizade, a natureza humana, os extremismos nos dias de hoje e as latitudes por onde se movem: Angola, Moçambique, Brasil e, claro, Portugal. Perdoará o leitor a profusão de parêntesis assinalando os risos – com estes dois senhores, eles são inevitáveis.