INVESTIMENTOS

Governo angolano reafirma promessa de metro de superficie em Luanda

O Governo angolano prometeu hoje materializar a interconexão dos caminhos-de-ferro de Luanda e Benguela, visando ligar a zona leste do país e melhorar a mobilidade em Luanda com a construção do metro de superfície.

“De igual forma pretendemos construir a ligação do CFL (Caminhos de Ferro de Luanda) de Malanje até ao Saurimo e até ao Luena, materializando desta forma a interconexão das linhas de conexão do CFL e do CFB (Caminhos de Ferro de Benguela), estamos a falar de um primeiro passo da conexão entre as três linhas férreas”, afirmou o secretário de Estado para os Transportes Terrestres angolano.

Jorge Bengue, que falava na abertura do I Ciclo de Conferências Técnicas Ferroviárias de Angola, assegurou também que decorrem trabalhos para a criação de condições para a construção do metro de superfície de Luanda.

Os trabalhos para a construção do metro de superfície, assinalou, surgem da urgência e necessidade de melhorar “a oferta do serviço de mobilidade na cidade de Luanda”.

O governante recordou a aquisição recente de 10 unidades automotoras (locomotivas) para o serviço de transporte urbano e suburbano de passageiros, referindo que sete já se encontram em circulação em Luanda e as restantes entram em circulação em breve na província de Benguela.

“Prevemos a aquisição de mais unidades para as cidades do Lubango e Namibe bem como reforços às cidades de Luanda e de Benguela, indo de encontro com os desafios atuais do ponto de vista de irmos dando respostas eficazes e proporcionais à dimensão da necessidade da mobilidade urbana das principais cidades do nosso país”, notou.

Para a nova legislatura governamental, acrescentou, as autoridades do setor vão reabilitar o troço ferroviário Zenza-Cacuso, uma extensão de cerca de 215 quilómetros, “um troco que não foi contemplado no programa da estruturação da rede ferroviária”.

“E hoje tem sido este troço o grande embaraço na operação do CFL a Malanje que dura hoje nove horas, daí que se pretende melhorar a segurança operacional desta linha encurtando a distância”, apontou.

Em relação à história dos caminhos-de-ferro de Angola, que assinala em 31 de outubro 134 anos, Bengue recordou que a rede ferroviária do país congrega três empresas, nomeadamente os CFB, CFL e os Caminhos de Ferro de Moçâmedes (CFM), numa extensão de cerca de 2.730 quilómetros.

Hoje “somos todos desafiados a melhorar os serviços de transportes ferroviários em Angola, esta missão não é só exclusiva do Governo, é uma tarefa de cada um de nós enquanto regulador, enquanto operador, parceiros, passageiros e a todos que têm algum papel em prol da ferrovia de Angola”, assinalou Jorge Bengue.

Transportes ferroviários e seu impacto na mobilidade, infraestrutura ferroviária do CFL no troço Zenza-Cacuso e seus constrangimentos, a importância do sistema de sinalização e comunicações na exploração comercial ferroviária são alguns dos temas em análise no encontro.

Leia Também: Associações ferroviárias querem “impulsionar e conectar” linhas de Angola

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *