ROAD TO COP 27

União Africana identifica prioridades na abordagem dos impactos das mudanças climáticas

A quarta sessão  do  “Road to COP 27” com foco nas mudanças climáticas, paz e segurança,   decorreu, nesta quarta-feira, 08, em Adis Abeba, na Comissão da União Africana, com intuito de   identificar  prioridades para o continente na abordagem dos impactos  deste fenómeno.

Durante o encontro  os participantes reconhecem que as mudanças climáticas representam a mais recente  série de impulsionadores ambientais da segurança humana e é  um multiplicador de risco, amplificador de fragilidade e catalisador de conflitos.

Embora não haja um vínculo causal directo entre as mudanças climáticas e os conflitos, as mudanças climáticas aumentaram os riscos de segurança, incluindo conflitos violentos, lê-se na nota .

De acordo  com o documento esta situação pode agravar ou  outras fontes de instabilidade e conflito, como a competição por recursos naturais e tensões étnicas.

Neste particular existe uma confluência de riscos, tensões pré-existentes e governança fraca,  que pode desencadear insegurança e violência,  isso é evidente em partes do Sahel, na Bacia do Lago Chade e  no corno de   África , relança a nota explicativa .

Desta feita  a  Comissária da UA Josefa Sacko , avançou  que a migração e mobilidade humana,   estima-se que entre 50 e 250 milhões  de pessoas  estão afectadas de  forma permanente ou temporária, o que, por sua vez, agravaria a marginalização e a discriminação .

Juntando a isso , a  Diplomata angolana disse que a  seca, a desertificação e a escassez de recursos levaram ao aumento dos conflitos entre agricultores e criadores de gado, levando  a colapsos sociais.

“ Em um ambiente de redução de recursos naturais, incluindo recursos terrestres e hídricos, o  encolhimento do Lago Chade está levando à marginalização econômica e fornecendo um terreno fértil para o recrutamento do Grupo Boko Haram, que devastou a Nigéria e Camarões”,  frisou .

No entender  da Comissária  da UA a implementação rápida da estratégia e plano de acção da UA para as alterações climáticas e desenvolvimento resiliente,  se apresenta para fortalecer a capacidade dos Estados Membros e centros regionais  para desenvolver respostas mais integradas aos riscos de segurança relacionados ao clima, incluindo a coordenação entre áreas políticas.

Para tal  a daptação  às mudanças climáticas por meio de investimentos em serviços de informação climática, redução de riscos de desastres, incluindo sistemas de alerta precoce se afiguram  essenciais para “construir comunidades resilientes e facilitar o desenvolvimento sustentável”, defendeu.

Dia Mundial Dos Ocenaos

Em linha com abordagem com o  do Dia Mundial dos Oceanos, que se assinala hoje ( 8 de Jumho) , a Comissária do DARBE , afirmou  que se deve acelerar o desenvolvimento de um quadro de governação dos oceanos, nomeadamente para combater a poluição marinha, promover a gestão sustentável da biodiversidade marinha e dos recursos pesqueiros.

Segundo ela, é preciso acelerar a  implementação da carta Africana sobre segurança marítima e de  desenvolvimento em África (carta de Lomé), cujos objectivos são, entre outros, proteger o meio ambiente em geral, o espaço dos Estados costeiros e insulares, em particular ,  promover uma economia azul oceânica próspera e sustentável.

“ Os oceanos são uma grande vália na  sustentação da vida na Terra e inspira ações para conservá-la. O tema do Dia Mundial dos Oceanos 2022 é “Revitalização: Ação Coletiva pelo Oceano”. Visa incentivar ações coletivas para a preservação do corpo d’água, pois os oceanos são um elo essencial que nos conecta a todos”, Finalizou a Comissária da UA que está no segundo mandato nesta organização africana.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *