KARLA CARVALHO

Ana, um sonho e o devir

Como se fosse possível, o menino José sonhou-se homem-palavra, a autografar um livro para Ana.

A gratidão era tanta, carecia de honrar aquela sábia mulher pelos muitos cuidados recebidos; o segurar da caneta, o bordado da letra, as noções de parágrafos, os cadernos, forrados, as quinas das páginas desdobradas. Ana, a tia Ana, punha ordem-amor em tudo.

José era homem feito no sonho de um menino sumarento que dormia no quarto ao lado de Lalu. Os tempos futuro-presente estavam no sentir onírico sem qualquer impossibilidade, talvez como um devir-chave.

Embora a vida na casa branca amarela e azul fosse cheia de cuidados, tudo organizadinho, será que ele podia chamar Ana de mãe? Seu coração dizia sim-não, teria permissão?

Na cabecinha do menino José, por trás daqueles olhos gentis-doces existiam tantos pesos, não possuía recursos para arrumar o sentir em ebulição.

E a mãe que ficou com o outro irmão? Ela o amaria se ele amasse Ana também? Havia
permissão para amar a tia/mãe substituta?

O certo é que ele sentia Ana, suas mãos pequenas, sua voz calma, as comidas, os doces, as compotas; tudo era grande, limpo e amoroso.

José no sonho disse à mulher já anciã; eu fiz algo muito bom com tudo o que você me deu, sou fruto também de seu amor. Cada livro que escrevo, cada palavra agenciada em prol do mundo, é a resposta de sua voz em meu ouvido dizendo palavras de esperança. Tia Ana, eu vejo você.

O menino acordou com os bem-te-vis, o sol na janela e a música João e Maria a tocar. Antônio chegara do baba, Lalu ia acordando, José sentia os cheiros de bolo e pão quentinhos.

Certamente mais um sábado-luz, a vida declarando amenidades e curas em AmarElos no interior daquelas almas bonitas.

Nessa infância possível, o menino José ainda terá dúvidas sobre o lugar de Ana em seu coração. No entanto, como o amor existe funcionalmente na ordem, um dia o homem José sentirá apenas luz-amor-cura-gratidão pela querida tia Ana e ela terá cumprido sua missão com José.

Quando José chegou. Karla Carvalho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *