Destaques

O católico e o evangélico

Interpelou-me um irmão Evangélico, hoje. – Acompanho as tuas publicações no Facebook. Olhe, quero debater contigo sobre Maria! Meu bom irmão, não podemos debater sobre a nossa boa Mãe Maria. Temos de amá-la como ela nos ama! Mesmo tu não amando-a, ela te ama. Não se debate sobre a Virgem Maria, ama-se! Meu bom irmão, …

O católico e o evangélico Leia mais »

A margem

Vou levar algumas horas ou quem sabe dias para escrever essa crônica. E agora, ela está aqui, desfilando nas retinas do meu leitor. Sinto-me perdida, entre as fagulhas do tempo. E com o coração em brasa, escrevo esta crônica cujo tema é ela mesma. Sei bem, leitor! O mundo anda cheio de assuntos para serem …

A margem Leia mais »

CARRINHO, a nova coqueluche do PR João Lourenço

“Sem vergonha, nem um mínimo de pudor em tudo o que possa render lucro fácil, a par da OMATAPALO, encontramos o nome desta empresa seja directamente ou através de subsidiárias engendradas à pressa para funcionarem como receptoras de Fundos Públicos chorudos a pretexto de alavancarem vidas inóspitas de milhões de angolanos. Agora, com a entrega da gestão desta fábrica (África Têxtil) onde já vimos colocando dinheiro do Erário desde bem lá atrás, a cargo da CARRINHO, para além da Reserva Alimentar para que não morram à fome, fica também entregue à  sua gestão os trapos para se cobrirem e taparem-se do frio.”

Clima de “paz armada” no clã dos Santos

“(…) A imagem do ex-PR está sempre associada ao símbolo da soberania, assim como à manifestação de outros valores da identidade nacional. (…) Apesar do facto dos 38 anos da Administração Eduardista terem sido “coroado” por um festival de corrupção, nepotismo e impunidade, JES, na qualidade de antigo PR, goza das imunidades e de outros direitos que conferem dignidade à função presidencial, prevista na Carta Magna do País. (…)”

A elite de fantoches e a cartilha do partido

“(…) Essa elite de fantoches deve ser repudiada e banida da vida pública sumariamente. Qualquer cidadão decente sentiria vergonha, caso fosse considerado membro dessa elite. Eles são apenas vigaristas e oportunistas, uma massa disforme que se julga a suprassumo da inteligência e se contenta com a velha imagem projetada pelo espelho do atraso e da ignorância. Nunca são colocados à prova. Não procuram desafios e jamais são julgados pelas suas acções. Vivem num estado de autoproteção e têm um País inteiro como colónia ou propriedade privada para a manutenção da sua subsistência. (…)”

Dia da Mãe

Para onde vão os meus pensamentos? Para aquela mulher franzina, de cujos actos e afectos iniciais me lembro ainda na Pedreira do Baba, à pequena distância do ainda inexistente Tomessa, entre 1965-66. Vivemos ali, na felicidade pura das famílias verdadeiras, com o meu pai, meu mano Pompeu e minha irmã mais nova, a Filó. O …

Dia da Mãe Leia mais »

A rainha da cocada preta

quando uiara foi demitida de uma das últimas lojas da baixa dos sapateiros, precisou se reinventar. no primeiro dia de desempregada, resolveu fazer uma faxina em casa e na gaveta da cômoda do quarto, encontrou o livro de receitas de sua avó lila. deixou-o na mesa da sala e continuou a arrumação. quando terminou resolveu …

A rainha da cocada preta Leia mais »

Mister Angola no Muro das Lamentações

No fim da excursão a Jerusalém, ao sair do Muro das Lamentações, há um pequeno fontenário com uns jarros de alumínio. Enchemo-lo com água e vamos despejando alternadamente em cada uma das mãos, três vezes. Depois, passamos as mãos molhadas na cara e sentimos um alívio do efeito solar. Concluimos: “obrigado meu Deus pela saúde …

Mister Angola no Muro das Lamentações Leia mais »

O dia seguinte dos (nossos) dirigentes e governantes

“(…) José Eduardo dos Santos será sempre visto por mim como um pai; servi-o era eu muito jovem, tendo sempre recebido da parte dele um tratamento carregado de respeito, carinho e atenção. Foi dele que vieram as palavras que eu mais queria ouvir naquela altura quando, num Sábado à tarde, porque já não conseguia viver com o receio de a qualquer momento ser preso estando eu consciente da minha inocência, solicitei forçosamente um encontro com ele para me garantir que nada de mal me iria acontecer. (…)”